Urias Sérgio

Vivo da esperança de ver o soerguimento da ética e da razão e isso dá-me forças de continuar lutando

Textos

ABRAÇO
Soneto

ABRAÇO

Ah! Como é gozada e cruel a minha vida...
Com essa emoção forte, assaz reprimida,
Tendo-a em meus braços, nesse forte abraço,
Que quisera eu, ser um nó e não  um laço.

Mas nada há de certo que me contemple
Com outros afagos que venham depois.
Em razão das diferenças que nos cercam
Ou as emoções que traremos, prá nós dois.

Teu cheiro me consome, me alucina, me mata,
Por isso deveria estar distante de tí, menina,
Longe de teus olhos e dessa forte emoção.

Há quantos não nos víamos, quanto tempo?
Ainda assim, sensual e bela, em ti nada mudou...
Nem as batidas frenéticas de meu coração!


Urias Sérgio de Freitas.
Urias Sérgio
Enviado por Urias Sérgio em 20/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Urias Sérgio de Freitas - site urias@recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras