Urias Sérgio

Vivo da esperança de ver o soerguimento da ética e da razão e isso dá-me forças de continuar lutando

Textos

RABISCOS DE UM PASSADO QUE NÃO SE APAGAM
Saudade essa coisa ingrata,
Lembrança viva, que maltrata
Experiências muito sofridas,
De meu coração amargurado.

Dedos trêmulos, irrequietos,
Como meus pensamentos.
Que teimam em rabiscar
Seus nomes, irmãos meus!

Lembranças de um passado
Carcomido pelo tempo,
Instigado pelos fortes ventos,
Qual açoite na pele nua

Como areia na pradaria...
Como se na noite imersa a lua,
Em nuvens tétricas ponteadas de luzes
Se acumulassem os raios e trovões de minha vida.

Meus irmãos Galeno, Gilka, Roberto, Dirany Luiz e Dario, todos já noutro plano, distantes de mim mas não de meus pensamentos. AMO VOCÊS! SAUDADES.
Urias Sérgio
Enviado por Urias Sérgio em 21/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Urias Sérgio de Freitas - site urias@recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras